AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE MONÓXIDO DE CARBONO (CO) EM UMA CALDEIRA FLAMOTUBULAR UTILIZANDO GÁS NATURAL

  • Gilmar Geraldo Jorge
  • Angelo Augusto Valles de Sá Mazzarotto Centro Universitário do Paraná- UNIFAESP
  • Maria Carolina Vieira da Rocha UNIFAESP - Centro Universitário do Paraná
Palavras-chave: poluição atmosférica, monitoramento ambiental,

Resumo

A poluição atmosférica vem aumentando com o crescimento industrial, e o desafio dos países tem sido procurar mecanismos eficientes que controlem adequadamente os níveis destes poluentes. A utilização de caldeiras é comum em muitas indústrias; porém, esses equipamentos são emissores potenciais de poluição atmosférica e devem ter um controle rigoroso na sua operação. Entre estas formas de controle, inclui-se a substituição de matérias-primas utilizadas no processo de queima, por outras de menor potencial poluente, como é o caso do gás natural. Assim, este estudo teve como objetivo avaliar a emissão de monóxido de carbono (CO) em uma caldeira flamotubular alimentada por gás natural, monitorada por um período de três anos de funcionamento. Os resultados obtidos em todas as análises estão de acordo com a norma estabelecida pela Resolução n° 436/ 2011 do CONAMA (Conselho Nacional de Meio Ambiente), confirmando o uso deste combustível como uma alternativa adequada para redução das emissões atmosféricas em sistemas de caldeiras industriais.

Biografia do Autor

Gilmar Geraldo Jorge
Engenheiro Ambiental/ Engenheiro de Segurança do Trabalho UNIFAESP-PR
Maria Carolina Vieira da Rocha, UNIFAESP - Centro Universitário do Paraná
Engenheira de Bioprocessos e Biotecnologia/ UFPRBacharel em Ciências Biológicas/ Universidade Positivo-PRMestre e Doutora em Engenharia de Recursos Hídricos e Ambiental/ UFPRProfessora Adjunta I/ UNIFAESP-PR 

Referências

Brasil. Ministério do Meio Ambiente (MMA). Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução CONAMA Nº 491, de 19 de novembro de 2018 (Revoga Resolução CONAMA 03/1990 e modifica Resolução 05/1989). Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=740. Acesso em: 14 fev. 2019

Tundo, P., Zecchini F. (2007) A mudança do clima global. O efeito estufa e a diminuição da camada de ozônio. Poligrafica Venezia, 48 p. Disponível em: http://www.incaweb.org/publications/pdf/climate_monograph_por.pdf. Acesso em: 27 fev. 2019.

Seinfeld, J. H., Pandis, S. N. (2016). Atmospheric chemistry and physics: from air pollution to climate change. Nova Jersey: John Wiley & Sons, 1152 p.

Prockop, L. D., Chichkova, R. I. (2007). Carbon monoxide intoxication: an updated review. Journal of the neurological sciences, v. 262, n.1-2, p. 122-130.

Badr, O., Probert, S. D. (1995). Sinks and environmental impacts for atmospheric carbon monoxide. Applied energy, v. 50, n. 4, p. 339-372.

Buchmann, B., Hueglin, C., Reimann, S., Vollmer, M. K., Steinbacher, M., Emmenegger, L. (2016). 18 reactive gases, ozone depleting substances and greenhouse gases. In: Weather observations to atmospheric and climate sciences in Switzerland: Celebrating 100 years of the Swiss Society for Meteorology. Zurique: vdf Hochschulverla, 456 p.

Zhong, Q., Huang, Y., Shen, H., Chen, Y., Chen, H., Huang, T., et al. (2017). Global estimates of carbon monoxide emissions from 1960 to 2013. Environmental Science and Pollution Research, v. 24, n.1, p. 864-873.

Associação Brasileira de Normas Técnicas- ABNT. NR 13. Caldeiras e Vasos de Pressão (113.000-5). Rio de Janeiro, 18 p. 2014. Disponível em: http://www.saude.mt.gov.br/arquivo/1862 Acesso em: 10 fev. 2019.

Li, C., Gillum, C., Toupin, K., Park, Y. H., & Donaldson, B. (2016). Environmental performance assessment of utility boiler energy conversion systems. Energy conversion and management, v. 120, p. 135-143.

Coykendall, L. H. (1962). Formation and Control of Sulfur Oxides in Boilers. Journal of the Air Pollution Control Association, v. 12, n. 12, p. 567-591.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente (MMA). Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução CONAMA Nº 436, de 22 de dezembro de 2011 (Estabelece os limites máximos de emissão de poluentes atmosféricos para fontes fixas instaladas ou com pedido de licença de instalação anteriores a 02 de janeiro de 2007). Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=660 Acesso em: 14 fev. 2019.

Cleaver-Brooks, Inc. (2010) Boiler Efficiency Guide. Facts about firetube boilers and boiler efficiency. Thomasville, 22 f. Disponível em: http://cleaverbrooks.com/reference-center/insights/Boiler%20Efficiency%20Guide.pdf. Acesso em: 23 fev. 2019.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente (MMA). Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução CONAMA Nº 08, de 28 de dezembro de 1990 (Dispõe sobre o estabelecimento de limites máximos de emissão de poluentes no ar para processos de combustão externa de fontes fixas de poluição). Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=105 Acesso em: 20 fev. 2019.

Halley, G. (1998) Boiler/ burner combustion air supply requirements and maintenance. National Board Bulletin, 5 p. Disponível em: https://www.nationalboard.org/index.aspx?pageID=164&ID=236. Acesso em: 24 fev. 2019.

Krause, H. H., Vaughan, D. A., Boyd, W. K. (1975). Corrosion and deposits from combustion of solid waste—Part III: effects of sulfur on boiler tube metals. Journal of Engineering for Power, v. 97, n.3, p. 448-452.

United States Environment Protection Agency- USEPA. Nitrogen Oxides (NOx), why and how they are controlled. Technical Bulletin, Clean Air Technology Center (MD-12). EPA-456/F-99-006R. 1999, 48 p.

Engineering ToolBox (2003). Combustion Efficiency and Excess Air. Disponível em: https://www.engineeringtoolbox.com/boiler-combustion-efficiency-d_271.html. Acesso: 27 fev. 2019.

Publicado
2019-07-13
Seção
Meio Ambiente